sábado, 4 de abril de 2009

Mianmar

Não escrevo poemas,
Faço-os em meu pensamento.
Todo escrito é uma mentira!,
A verdade permanece alheia às palavras.

Não sou o que tem glórias ao seu redor,
Herdeiro de grandes fortunas,
General de invencíveis exércitos.
Não sou o que encontrou o que procurava,
-E quem o é?-
E esperava com uma angústia cega de fé
Por aquilo que não veio.
Não recebi os louros da vitória,
Tampouco os receberei.
Simplesmente porque não existem vitórias.
Se pudéssemos todos seríamos gênios:
Newtons da Ciência,
Pessoas das Letras,
Platões da Filosofia
...
Não escrevo o que sinto,
Se pudesse assim o faria.
Sou falso como tudo aquilo que escrevo,
Intersecção fútil entre duas facetas,
A verdade que há em mim e a mentira que falo.

Há gente em Mianmar,
É certo que há.
Tão reais quanto eu!
Nunca vi Mianmar,
Nunca fui a Mianmar,
Muito provavelmente nunca irei a Mianmar!
Deixaria, por isso, de existir Mianmar?
Mas há gente tão real quanto eu por lá!
Têm filhos, irmãos, pais, amigos...
Vão a escolas, a seus trabalhos, divertem-se...

Devem escrever poemas em Mianmar,
Numa língua estranha.
-Estranha seria a minha língua por lá-
Um aglomerado de símbolos sem significado...

Sei achar Mianmar no mapa,
Fica no sudeste de Ásia, no Pacífico.
Imagino as praias de lá.
Sei que Mianmar já fora a Grande Indonchina, parte de França.
Depois Birmânia, submissa à Inglaterra.
Hoje Mianmar.
Todos parte de uma realidade invisível e impossível para mim,
Todos com filhos, irmãos, pais, amigos...
Todos tão reais e tão impossível quanto eu.
Gente de olhos puxados,
Por impulso há de se pensar tal coisa.

Nunca vi Mianmar.
Mianmar é uma mentira,
É apenas um desenho no mapa.
A fronteria da verdade com a mentira é até onde meus olhos alcançam,
É de onde sou (Mianmar está por depois dela).
Lá somos todos partes de uma só realidade,
Filhos de Indonchina,
Irmãos de Mianmar,
Pais de Birmânia,
E amigos de Brasil.
Não há lá poemas em línguas estranhas,
Pois todos os poemas são os do pensamento.

JMottër, São paulo, 05 de Abril de 2009, Domingo

2 comentários:

Marcos Cabral disse...

Muito boa essa poesia... Diversas vezes já me peguei pensando nesse tema. Teus escritos são ótimo, você só poderia postar com mais freqüência.
Parabéns!

Marcos Cabral disse...

PS: teus escritos são ótimos.